segunda-feira, 14 de março de 2011

Avaliação da Leitura de A viuvinha e Cinco Minutos, de José de Alencar

Questão dissertativa obrigatória:

Onde e como vivia Jorge na época em que assumiu a falsa identidade, fazendo-se passar por Carlos e resgatando as dívidas deixadas outrora?


Marque com um X no gabarito, assinalando se é falso ou verdadeiro

A viuvinha

1 – Quando atingiu a maioridade, Jorge tornou um rapaz exemplar. Preocupado com o futuro, estudava e dedicava-se com afinco à realização profissional.

2 – A mudança na vida de Jorge iniciou-se numa noite em que, não conseguindo dormir, passou a madrugada recordando tudo que vivera. De manhã, ao ouvir bater o sino, como um sinal, foi à igreja.

3 – O início da relação com Carolina representou para Jorge uma transformação em seus hábitos. Passou a ter uma vida mais simples, vivendo do trabalho e desapegado da riqueza.

4 – Na véspera do casamento, Jorge recebe a visita do sr. Almeida, seu antigo tutor. Este lhe dá uma notícia aterradora: sua noiva era na verdade sua verdadeira irmã.

5 – Estupefato com a notícia, Jorge pensa em fugir, abandonando o casamento. Pensa em matar a noiva e até em tornar-se padre. Só não pensa no suicídio.

6 – Antes que se realize o casamento, Jorge se dirige a uma praia, atrás do hospital da Misericórdia. Um vulto o segue. Chegando lá, ele suicida-se com dois tiros na cabeça.

7 – A história será retomada cinco anos depois. Carolina está novamente casada e já esquecida da maneira trágica como o marido morrera.

8 – A maior angústia de Jorge foi não poder saldar seis letras da dívida que tinha pois elas estavam nas mãos de um credor inescrupuloso que queria sua falência.

9 – O misterioso homem que deixava os bilhetes e as flores à sua janela trouxeram dividiu o coração de Carolina. Ela amava aquela figura oculta, mas alimentava dentro de si a fidelidade ao marido morto.

10 – Quando Jorge revelou-se finalmente a Carolina, ela não suportou tamanha afronta a seus sentimentos e amaldiçoou-o. Os dois, assim, separam-se para sempre.

Cinco Minutos

11 – No romance “Cinco minutos” tudo começa na Europa, num teatro de ópera, em que o protagonista apaixona-se por uma senhora misteriosa.

12 – O autor é também personagem da história (por isso é narrada na primeira pessoa) e conta os fatos não ao leitor, mas a uma prima.

13 – A frase proncunciada pela mulher misteriosa “Non ti scordar di me!” quer dizer Não me procure nunca mais e é citada numa velha cantiga popular.

14 – Tamanha foi a decepção do protagonista quando descobriu que, após procurar dias a fio sua amada, descobre, num baile, que ela é uma velha. Ele então retorna para casa e não volta a procura-la.

15 – O encontro definitivo dá-se numa ópera em que se representa La Traviata, de Verdi. Ele consegue dirigir a palavra à moça, mas ela vai embora sem nada lhe dizer, sugerindo que não a seguisse.

16 – A carta que nosso protagonista recebe da misteriosa mulher revela que ela o ama, mas é vítima de uma fatalidade que impede a realização desse amor.

17 – A primeira vez em que os dois heróis da história se encontram dá-se ainda no Rio de Janeiro. Para evitar que o rapaz insistisse em procura-la, ela inventa uma história, dizendo que já é comprometida e por isso que não pode amá-lo.

18 – Para voltar de Petrópolis para o Rio de Janeiro, o rapaz teve que, além de comprar um cavalo, pagar o rendimento mensal de um pescador que o conduziria em sua pequena canoa.

19 – O romance tem final feliz, pois os dois conseguem se encontrar na Europa e a moça fica finalmente curada de sua doença.

20 – Percebe-se, pelos detalhes mencionados na obra, que a história se passa entre personagens humildes, sem grandes posses, revelando o caráter social da obra.






Nenhum comentário:

Postar um comentário